Personalidades » Antonio Hohlfeldt

Antonio Hohlfeldt, pesquisador por natureza

Em sua sala no PPGCOM em 2012.

A atividade de pesquisa está presente desde muito cedo na vida do segundo coordenador do PPGCOM da Famecos, o escritor, professor universitário e político Antonio Hohlfeldt. Ávido leitor e falando fluentemente várias línguas, ficou na administração do pós de 1993 a 2002, “num tempo em que não havia mais de 20 programas de comunicação no Brasil”.  Compreende que os estudos são válidos a partir de uma reflexão crítica, observando que o Pós-Graduação procura despertar essa visão nos alunos.

Hohlfeldt cursou Jornalismo na Famecos e graduou-se em Letras, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 1973. Em 1991, concluiu mestrado e em 1998 o doutorado em Letras e Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Seguiu estudando, até que em 2003 começou a fazer pós-doutorado na Universidade Fernando Pessoa (UFP), em Portugal. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria da Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: artes cênicas, crítica teatral, teoria do jornalismo, comunicação social e teoria da comunicação.

Lecionou as disciplinas de Fundamentos Científicos da Comunicação, Comunicação e Psicologia Social e, também, Cultura Brasileira, na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), de 1975 e 1984 . Na Universidade de Caxias do Sul (UCS), de 1978 a 1982, foi responsável pela disciplina denominada Atualidades Brasileiras e conduziu seminários sobre temas contemporâneos brasileiros para curso básico da Universidade. Também lecionou Teoria da Literatura e Literatura Brasileira no curso de Especialização em Literatura. A partir de 1980, deu aulas para a graduação na cadeira de Tópicos de Realidade Brasileira. Foi celetista na Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), durante o ano de 1986, encarregado da disciplinas de Teoria da Comunicação.

Em 1994, passou a lecionar na pós-graduação. A partir de 2006, dedicou-se à Pesquisa e Desenvolvimento do Programa de Pós-Graduação da Famecos – Linha de pesquisa: Práticas sócio-políticas nas mídias e comunicação nas organizações. Em 2008, foi professor celetista em Portugal, na UFP, e em 2009, professor visitante da Université Paul Valéry (UPV), na França. Atuou em 2010 no Curso de Especialização em Assessoria em Comunicação Política da Universidade de Santa Cruz (Unisc), onde lecionou a disciplina Teorias da Comunicação. Em 2012, integrou o Conselho Nacional de Pesquisas PUCRS/CNPQ e tornou-se colaborador da Faculdade Monteiro Lobato. Pela segunda vez participou como Professor Visitante, na Faculdade de Ciências Sociais, no âmbito de acordo entre a PUCRS-Famecos e a Universidade Paul Valéry III. O curso desenvolvido em quatro encontros denominou-se “Imaginaires de la presse brésilienne”.

Foi vice-governador eleito do Rio Grande do Sul (2003 a 2007) e exerceu o cargo de governador no último ano. Sua carreira política começou em 1982, quando foi eleito para a Câmara de Vereadores de Porto Alegre, como primeiro vereador do Partido dos Trabalhadores (PT). Acabou sendo eleito para mais três mandatos, pelo PSDB e PMDB. Em 2002, na eleição para o governo gaúcho, vencida por Germano Rigotto, do PMDB, ele era o candidato a vice.

Durante a carreira, Hohlfeldt ganhou prêmios como o concurso de reportagem sobre a IV Bienal Internacional do Livro em 1974; Prêmio Líderes e Vencedores da Assembleia Legislativa, em 2005, pelo seu trabalho como vice-governador e coordenador dos projetos dos Centenários de Erico Verissimo e Mário Quintana; e em 2006, o Prêmio Luis Beltrão pelo seu trabalho de pesquisa em comunicação. O professor possui 72 artigos publicados, 36 livros organizados ou em edições individuais, 68 capítulos de livros, 37 trabalhos em anais de congressos e mais de 472 textos em jornais de notícias e revistas. Participou de mais de 50 apresentações de trabalhos, como também em bancas de trabalho de conclusão, sendo 32 participações em bancas de mestrado e 37 de doutorado.

“As pesquisas realizadas pelos pós-graduandos do programa ao longo dos anos são importantes para a reflexão crítica”.

“Durante estes anos, evidenciou-se que os profissionais eram muito bons para fazer. No entanto, não sabiam explicar teoricamente (…) A teoria possibilita que estes profissionais possam entender o que está acontecendo e que seja possível repetir a ação e melhorar o processo”.

 

ENTREVISTA

Núcleo de Memória:  O que esperar do Programa de Pós Graduação da PUCRS?
Antonio Hohlfeldt:
 Nós fazemos o programa para as pessoas que querem se atualizar, para quem quer ter uma visão crítica da profissão, ainda mais porque as pessoas que estão no mercado precisam ter uma visão mais ampla e outro olhar para aperfeiçoar ainda mais os campos nos quais esses profissionais dominam. Para vocês terem uma noção, grandes profissionais da comunicação normalmente têm extrema dificuldade para realizar nosso curso por causa do grau de exigência. Cada vez mais os profissionais querem aprender e o PPGCOM proporciona grande embasamento teórico para mestrandos e doutorandos que participam. Tivemos grandes dissertações como a de um aluno que fez sobre os discursos de Winston Churchill na época da Segunda Guerra Mundial. Outro aluno fez sobre a relação entre os marqueteiros e os políticos para os quais trabalham algo muito interessante, visto que mostra os bastidores da política e a dureza que é fazer uma campanha, ainda mais que nem sempre os envolvidos são amigos ou cedem às exigências do outro, eu sei porque fui político. Então essa é a ideia: ampliar os conhecimentos e fazer com que o mercado ganhe um profissional completo.

Núcleo de Memória:  Como surgiu o PPGCOM? Qual era a ideia inicial?
Antonio Hohlfeldt:
Comecinho mesmo só com a professora Doris (risos), foi ela quem trouxe o PPGCOM para cá, pois ela dava aula na UFRGS e trouxe para cá o programa. Ela me chamou para dar aulas e largar minha bolsa de mestrado, desde então eu estou engajado. Os coordenadores diziam que os professores da universidade deveriam se aperfeiçoar e então deram incentivos como pagar uma bolsa-auxílio para eles, deixando-os apenas estudando e recebendo diversos benefícios para bancar as despesas, além do salário que eles recebiam da faculdade onde lecionavam (isso em 1998), depois o programa recebeu alterações na remuneração, pagando cinquenta por cento do valor que era integral antigamente. Participamos de várias reuniões e tivemos várias visitas de órgãos reguladores (CAPS) que logo na primeira vez, em 1999, foi “infelizmente” (tom irônico), o programa foi aprovado no primeiro ano de avaliação. Essa avaliação consiste em ver as condições de infraestrutura, ensino e desempenho dos professores. Atualmente temos quarenta alunos por ano e dezoito professores no quadro do PPGCOM. O mestrado é de dois anos e o doutorado em dois anos, mais a qualificação, completando tudo em cinco anos. Eu fiquei na coordenação até o ano de 2003, logo após fui chamado para concorrer juntamente com Germano Rigotto, passando meu legado para o professor Juremir Machado, através de diversas articulações. Na época tínhamos apenas vinte cursos de pós-graduação e o nosso foi um dos pioneiros, principalmente na área de comunicação.

Núcleo de Memória:  O que vocês avaliaram para realizar a atualização do currículo dos cursos? Quais são os critérios utilizados?
Antonio Hohlfeldt:
Nós estamos sempre atentos às mudanças de outras faculdades, nós temos uma entidade, a COMPÓS, que é um centro que une todas as universidades e nós temos a CAPES em termos de governo. Hoje em dia, os programas realizados pelas universidades em relação à pós-graduação são muito mais amplos, até porque o governo auxilia na concessão de bolsas de mestrado e, principalmente, doutorado, visto que já passamos da fase de mestrado e estamos entrando na de pós-doutorado, que funciona da seguinte maneira: você estuda fora, não necessariamente no exterior, para fazer um estudo sobre alguma área que tenha interesse, eles te pagam para isso. Você continua recebendo o salário de professor e mais o da bolsa para manter os estudos sem nenhuma outra preocupação. A CAPS pede um relatório de 400 páginas. Estamos realizando uma parceria com duas faculdades e Moçambique, formando vinte alunos em mestrado e vinte em doutorado. Além disso, temos parceria com Maranhão.

Núcleo de Memória:  Nós mandamos alunos daqui para fazer intercâmbio?
Antonio Hohlfeldt:
Sim, são enviados alguns alunos para a realização do programa para adquirir esta experiência, mandamos doutores, professores, alunos de mestrado e doutorado. O Juremir Macahdo é o coordenador desse programa de intercâmbio, auxiliado por outros professores como o Carlos Gerbase, por exemplo. Como os alunos de graduação não participam do PPGCOM, os professores podem chamá-los para a realização de bolsas de iniciação científica para ampliar os conhecimentos desses alunos, eu mesmo tive cinco auxiliares nas pesquisas ao mesmo tempo. Esse aluno terá um grande diferencial no mercado, visto que a bolsa é um grande divisor de águas para a escolha desse futuro profissional”.

Núcleo de Memória:  Por que escolher o PPGCOM?
Antonio Hohlfeldt:
Porque esse é o pós mais completo que existe na comunicação, a UFRGS, por exemplo, trabalha com conceitos de comunicação de massa apenas, nós temos o currículo voltado para cada área da comunicação, seja Relações Públicas, Jornalismo ou Publicidade e Propaganda. Os professores daqui são especialistas nas áreas de atuação deles e só podem lecionar sobre suas especialidades, não podemos assumir outras, além de haver um limite de estudantes para manter um bom nível de ensino.

 

Curso(s): , , ,

Década(s) de referência: 1970, 1980, 1990, 2000, 2010

Vínculo Famecos: Professor, Coordenador

Graduação em: Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1973).

Mestrado em: Letras e Linguística, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991).

Doutorado em: Letras e Linguística, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1998). Pós-doutorado na Universidade Fernando Pessoa, em Portugal (2003).

Produção do material sobre esta personalidade: Memória Famecos - Foto Paula Reif Medina - 2012.2 - Estágio

Edição do material: Tiberio Vargas Ramos e Luciano Klockner

Dados cadastrados por: Silvana Sandini, Marisa Soares

Post publicado em: 8 de março de 2014