Personalidades » Juliana Tonin

Juliana Tonin: encantamento com a docência e a pesquisa

Juliana Tonin

Publicitária por formação, sempre demonstrando curiosidade por temáticas que proporcionassem o aprofundamento do conhecimento, a professora Juliana Tonin, ao cursar a faculdade, despertou para a pesquisa a partir de disciplinas que não atraem, pelo menos à primeira vista, grande parte dos estudantes: disciplinas ligadas à pesquisa científica, à sociologia, à psicologia da comunicação. Ao concluir o curso de graduação em 2001, após estágio, atuou profissionalmente em agência própria, na área de criação, por um ano, mas ao final do período permanecia uma inquietação. “Sentia que precisava procurar algo que me satisfizesse, e busquei isso no prosseguimento aos estudos”. Assim, retornou para fazer Mestrado e Doutorado na Famecos. Foi quando se reencantou com os estudos. “Foi quando notei que queria mesmo me dedicar à pesquisa e a docência em comunicação”.

Frases

“Sempre gostei das disciplinas ligadas à pesquisa científica, um interesse bem distinto de boa parte dos estudantes de comunicação atualmente”.

 

“Trabalhei na área de criação em Publicidade e Propaganda, mas  uma inquietação profunda me fez voltar a estudar e encontrar um novo caminho, que foi a área da pesquisa e da docência em comunicação”

Questionário

P – Quais as funções que já ocupou no pós?

Juliana – Na Pós, os professores desempenham várias funções, dividem tarefas, além de dar aulas e de desenvolverem seu projeto de pesquisa, que, no meu caso, está ligado à temática de meu interesse, que seria os estudos da Imagem e do Imaginário. Além disso, atuo em meu Grupo de Pesquisa, intitulado Grupo Imagem e Imaginários (GIM). Também oriento trabalhos de Mestrado e atualmente um trabalho de Doutorado (Dinter), e integro a comissão organizadora do Seminário Internacional da Comunicação, que ocorre a cada dois anos aqui na Famecos.

P – E quais os cargos já desempenhados?

Juliana – Durante algum tempo participei da comissão da Revista Famecos. Atualmente, faço parte da Coleção Comunicação; auxilio essa atividade junto com o professor Antonio Hohlfeldt na editoração. O que é interessante destacar é que nós somos uma grande equipe que trabalha as questões administrativas de forma colaborativa. Em determinadas épocas, as funções são remanejadas entre os professores. Por exemplo, há pouco tempo trabalhava com a coordenação dos cursos de Especialização e Extensão, hoje esta tarefa está a cargo de outro professor.

P – Quanto às disciplinas ministradas?

Juliana – O professor de Pós-graduação tem apenas uma disciplina e a oferece uma vez por ano para alunos de Mestrado e Doutorado. Ele estrutura esta disciplina de acordo com a sua especialidade. No caso, a minha disciplina é Sociologia da Imagem e Imaginários. Já na Graduação trabalho com as disciplinas de Teorias da Comunicação, Métodos de Pesquisa em Comunicação e Estética e História da Arte.

P – Qual a relevância do programa de Pós na área da Comunicação?

Juliana – Diria que, antes de tudo, é uma função estruturante, pois acredito que a Ciência da Comunicação, enquanto campo do saber, só existe porque há uma Pós-Graduação. Ela está organizada porque existem teorias que a fundamentam. A nossa área não é apenas técnica, é científica. Tanto é assim, que somos um campo, senão seríamos compostos apenas por vários cursos técnicos. Então, a Pós-Graduação em nossa área é relevante, é central no sentido de alicerçar um saber que, por sua vez, estrutura uma prática.

P – Quais as temáticas representam o programa na comunidade acadêmica?

Juliana – O nosso Programa tem uma particularidade que, ao meu ver, é bem interessante. Ele não é homogêneo. Ele é um programa heterogêneo, ele é plural, tem múltiplas temáticas. Tem muitos especialistas. Temos um Corpo Docente que está aqui desde a fundação do Programa e é superespecialista em alguns campos do saber. Por exemplo, o professor Antonio Hohlfeldt é superespecialista nas Teorias da Comunicação; o professor Juremir Machado da Silva, que trouxe todo um estudo francês sobre as Teorias do Imaginário, da pós-modernidade; a professora Ana Carolina Escosteguy que desenvolve os Estudos Culturais. E por ai vai. Não gostaria de me restringir às pessoas, mas mostrar, através dos exemplos dessas pessoas, desses mestres, essa multiplicidade de campos de saber que temos no Programa. Então, temos representação da Semiologia, do Imaginário, das Teorias da Comunicação, Teoria Crítica, Estudos Culturais, Teorias, Práticas e Indústria Cinematográfica, Novas Tecnologias, Comunicação Organizacional e RRPP, além de outros. Dessa forma, apresentamos um campo do saber aberto, múltiplo e bastante especializado.

 

Curso(s): ,

Década(s) de referência: 2000, 2010

Vínculo Famecos: Aluno, Professor, Coordenador

Graduação em: Comunicação Social - Publicidade e Propaganda, Famecos/PUCRS (2001).

Mestrado em: Mestrado em Comunicação Social, Famecos/PUCRS (2004).

Doutorado em: Doutorado em Comunicação Social, Famecos/PUCRS (2008).

Produção do material sobre esta personalidade: Patrícia Prestes de Ávila e Luciano Klockner

Edição do material: Luciano Klockner

Dados cadastrados por: Patrícia Prestes de Ávila

Post publicado em: 14 de julho de 2014